domingo, 21 de maio de 2017

MANOEL RODRIGUES DE MELO




Nasceu na Fazenda do Queimado, localizada na Ilha de São Francisco, Município de Macau -RN, a 07.07.1907, filho de Manoel de Melo Andrade Filho e d. Maria Rodrigues de Melo. A terra em que cresceu, à margem direita do Rio Açu, o seu paraíso perdido: A Várzea do Açu, para ele, é única, deslumbrante, incomparável (MELO, p.293). Essa referência recorrente em outros autores: Sua infância transcorreu correndo em cavalo de pau e carro de bois, pelos sítios vizinhos (AZEVEDO, p.12). Aos doze anos mudou-se para a cidade de Macau, passando a estudar em escola particular e a trabalhar no comércio. Transferiu-se para Currais Novos (1925), empregando-se numa loja de tecidos e iniciando as atividades literárias com a criação, ao lado de Ewerton Cortez, do jornal “O Porvir” (1926). Veio para Natal (1928), diplomando - se contador na Escola Técnica de Comércio, posteriormente vindo a lecionar neste estabelecimento. Foi Inspetor de Alunos do Colégio Pedro II, servidor do Centro de Imprensa e da Sociedade de Assistência Hospitalar e secretário do Hospital Miguel Couto (depois Hospital das Clínicas e hoje Hospital Universitário Onofre Lopes, da UFRN). Elegeu-se Vereador à Câmara Municipal do Natal (1948), mas não foi a1ém, nessa área: Desencantando-se com a política, dedicou-se de corpo e alma às letras (id., 13). Com referência as suas iniciativas nesta área, fundou os jornais “A Palavra” (1930 -32) e “Renovação” (1932) e as revistas “Bando” (s.d.) e “Nordeste” (1939-40), além de colaborar com os jornais “A República”, “A Ordem”, “Diário de Natal”, “Tribuna do Norte” e “O Jornal”, e com as revistas da Academia Norte-rio-grandense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do RN, do qual era sócio efetivo e foi vice-presidente. Também pertencia aos quadros do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, da Sociedade Brasileira de Folclore e da Academia Norte-rio-grandense de Letras, desta última exercendo a presidência ao longo de 21 anos. Sua produção 1iterária inclui os seguintes títulos: Várzea do Açu, Patriarcas e Carreiros, Cavalo de pau, Chico Caboclo e outros poemas, Pesquisas sociológicas, Mons. Augusto Franklin, Terras de Camundá(romance), Dicionário da Imprensa no Rio Grande do Norte (1909-1987) e Memória do Livro Potiguar. Em terreno doado pelo Governo do Estado (V. PEDROZA, Sylvio Piza, p. _), localizado na Rua Mipibu no centro de Natal, ergueu o edifício da Academia de Letras com singular demonstração de espírito de serviço: Embora ninguém na Academia acreditasse na sede própria, ele quase sozinho construiu o edifício, imponente para a época e os fins a que se destinava. Durante a construção foi arquiteto, mestre de obras, pedreiro, pintor, carpinteiro e, sobretudo, cavador de verbas(MELO, pp. 294-295). Em homenagem ao seu devotamento, aquele prédio recebeu o nome de “Casa Manoel Rodrigues de Melo”. Manoel Rodrigues de Melo faleceu em Natal, a 29 de fevereiro de 1996
FONTE FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto
AMO A NOSSA QUERIDA E AMADA CIDADE DE APODI, ACHO QUE SOU O BLOGUEIRO MAIS NOVO DO RIO GRANDE DO NORTE, COM APENAS 7 ANOS, CRIEI O BLOG LUIZ FELIPE

RN AQUI